Usuários da informação como fim em bibliotecas universitárias: uma análise a partir da Teoria Crítica em Adorno e Horkheimer

Autores

  • Mariana Rodrigues Gomes de Mello UNESP
  • Everton da Silva Camillo UNESP
  • João Carlos Gardini Santos UNESP e UFABC https://orcid.org/0000-0003-2720-9747
  • Daniel Martínez-Ávila UC3M e UNESP

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245273.141-171

Palavras-chave:

Biblioteca Universitária, Estudos de Usuário, Usuário da Informação, Teoria Crítica

Resumo

O estudo objetiva averiguar se a razão emancipatória na Teoria Crítica da Escola de Frankfurt se alinha à expectativa de uso dos serviços e recursos de informação de usuários da informação vinculados a universidades com programas de pós-graduação em Ciência da Informação na região Sudeste do Brasil. Tem como hipótese que os usuários da informação vinculados aos programas constituem o fim da oferta de serviços e recursos de informação pela biblioteca universitária do campus onde cada unidade de informação se localiza. Apresenta relações da Teoria Crítica em Theodor Adorno e Max Horkheimer com as abordagens dos estudos de usuários da informação. Discorre sobre as abordagens tradicional e alternativa dos estudos de usuários e suas relações com a função das bibliotecas universitárias. Os dados da pesquisa foram coletados por meio da aplicação da técnica de questionário. Utilizou-se o método de pesquisa análise de conteúdo. Foram elaborados cinco temas e 15 categorias de análise. Resultou que os temas 'Acesso/organização da biblioteca e do acervo' e 'Colaboradores' foram integralmente considerados alinhados à razão emancipatória. Os temas 'Produtos' e 'Serviços' obtiveram uma categoria alinhada com a razão instrumental cada um, por isso não foram integralmente considerados emancipatórios. A hipótese foi refutada. Conclui-se que tanto os serviços, quanto os recursos de informação são fundamentais para os usuários da informação se emanciparem. Contudo, para que as bibliotecas universitárias consigam atuar socialmente de acordo com a razão emancipatória, elas necessitam focar o usuário da informação como o fim das suas ações, e não como meio para atingi-las.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Rodrigues Gomes de Mello, UNESP

Doutoranda pelo Programa em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP). Mestre pelo mesmo programa e instituição. Especialista em Direito Público com capacitação para o Magistério Superior pela Faculdade Damásio de Jesus (Damásio Educacional). Foi docente na Faculdade Católica Paulista nos cursos de Gestão de Produção Industrial, Gestão Financeira e Marketing, ministrando a disciplina Projeto Integrador I, II e III, auxiliando alunos no projeto de uma empresa. Atuou no curso de Ciências Contábeis, na mesma instituição, nas disciplinas: Instituições de Direito Público e Privado, Direito Tributário I, Direito Tributário II, Direito Empresarial e Ética e Cidadania. Lecionou História Antiga, Medieval e Filosofia Geral no Colégio Criativo. É bacharel em Direito pelo Centro Universitário Eurípides Soares da Rocha (UNIVEM) e bacharel e licenciada em Filosofia (FAJOPA/UNESP). Foi professora efetiva PEB II em Filosofia na rede de ensino no Estado de São Paulo, onde além de Filosofia, lecionou História do Brasil e História Geral no Ensino Fundamental e Médio. Tem interesse por pesquisas em Epistemologia, sobretudo em Teoria Crítica e Teoria da Complexidade, relacionadas à Organização do Conhecimento e em Direitos Humanos, principalmente no que tange ao princípio da dignidade humana. Também se interessa por reflexões epistemológicas sobre verdade e pós-verdade relacionadas à Ciência da Informação.

Everton da Silva Camillo, UNESP

Doutorando no Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade Estadual Paulista (UNESP, Marília). Está vinculado à linha de pesquisa Gestão, Mediação e Uso da Informação. Mestre em Ciência da Informação (2020) pela mesma instituição com estágio de pesquisa na Université de Sherbrooke (École de Gestion), no Canadá. Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação (2017) pela Universidade de São Paulo (USP, Ribeirão Preto) com período sanduíche na Universidade de Coimbra (Faculdade de Letras), em Portugal. Desenvolve pesquisas principalmente nos seguintes temas: biblioteca escolar; bibliotecário escolar; políticas públicas do livro e leitura; políticas públicas educacionais. É membro dos grupos de pesquisa: Práticas e Reflexões sobre Biblioteca Escolar (USP) e Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional (UNESP), ambos credenciados no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

João Carlos Gardini Santos, UNESP e UFABC

Doutorando em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP). Bacharel em Direito (2006-2010) pela Faculdade de Direito da Alta Paulista (FADAP). Bacharel em Biblioteconomia (2014-2017) pela UNESP. Bibliotecário/Documentalista na Universidade Federal do ABC (UFABC).

Daniel Martínez-Ávila, UC3M e UNESP

Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Possui graduação em Biblioteconomía y Documentación pela Universidad Carlos III de Madrid (2005), Licenciado en Documentación pela Universidad Carlos III de Madrid (2007), Mestrado em Investigación en Documentación pela Universidad Carlos III de Madrid (2009), e Doutorado internacional pelo Programa Oficial de Doctorado en Documentación pela Universidad Carlos III de Madrid (2012). Foi Pesquisador e Instrutor Adjunto na University of Wisconsin-Milwauke até setembro de 2014 e Professor Assistente Doutor da Universidad Carlos III de Madrid até setembro de 2013 e desde setembro de 2019. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Organização da Informação. Membro do International Society for Knowlege Organization (ISKO) Scientific Advisory Board.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

MELLO, M. R. G. de; CAMILLO, E. da S.; SANTOS, J. C. G.; MARTÍNEZ-ÁVILA, D. Usuários da informação como fim em bibliotecas universitárias: uma análise a partir da Teoria Crítica em Adorno e Horkheimer. Em Questão, Porto Alegre, v. 27, n. 3, p. 141–171, 2021. DOI: 10.19132/1808-5245273.141-171. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/107784. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos