A mediação da informação no resgate da visibilidade e dignidade dos vulneráveis: o caso das pessoas em situação de rua

Autores

  • Tânia Regina de Brito Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)/ Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
  • Regina Celia Baptista Belluzzo Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)
  • Oswaldo Francisco de Almeida Júnior Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245272.323-345

Palavras-chave:

Mediação da informação, Pessoas em situação de rua, Competência em informação, Vulnerabilidade social

Resumo

A mediação da informação é abordada sob a perspectiva da vulnerabilidade social, considerando-se como sujeitos informacionais as pessoas em situação de rua. Questiona-se se tal população além de não ter as suas necessidades básicas atendidas pelo governo, terá a sua voz ouvida por profissionais da informação. Assim, tem como objetivo refletir acerca da mediação da informação enquanto promotora no resgate da cidadania e dignidade das pessoas vulneráveis, num ambiente de bibliotecas públicas. Trata-se de estudo com abordagem qualitativa, a partir de pesquisa bibliográfica realizada em catálogos de bibliotecas universitárias e do Portal de Periódicos da CAPES, envolvendo temáticas, como: mediação da informação, vulnerabilidade social, pessoas em situação de rua, competência em informação e biblioteca pública. Entendida como um processo que, junto com a competência em informação, tem potencial transformador para munir as pessoas para o empoderamento informacional, podendo minimizar a condição de miséria, e sobretudo as múltiplas vulnerabilidades a que são expostas. Compreende-se que os profissionais da informação de bibliotecas públicas são mediadores capazes de contribuir para que aos vulneráveis, que recorrem a esses espaços, possam dar voz às suas necessidades informacionais, possibilitando-lhes assim, mesmo que por um curto período e por motivos diversos, viverem o sedentarismo que não conseguem. Em espaços como a biblioteca pública, a presença da mediação da informação contribui para o avanço de uma sociedade com habilidades informacionais, para formar cidadãos mais críticos e cônscios de sua importância no mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia Regina de Brito, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)/ Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutoranda em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Marília). Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Bibliotecária-Documentalista da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Regina Celia Baptista Belluzzo, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)

Doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutorado em Educação Escolar (UNESP-Araraquara). Docente permanente dos Programas de pós-graduação da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" : Ciência da Informação (Marília-SP) junto à Linha de Pesquisa "Gestão, Mediação e Uso da Informação" e Mídia e Tecnologia (Bauru-SP) junto à Linha de Pesquisa "Gestão Midiática e Tecnológica)

Oswaldo Francisco de Almeida Júnior, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)

Doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Professor associado da Universidade Estadual de Londrina, professor titular do programa de pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Marília) e professor colaborador do Mestrado Profissional da Universidade Federal do Cariri.

Referências

ACRL. Characteristics of programs of information literacy that illustrate best practices: a guideline. Chicago: ACRL, 2012. Disponível em: http://www.ala.org/acrl/standards/characteristics. Acesso em: 24 ago. 2020.

ACRL. Guidelines for instruction programs in academic libraries. Chicago: ACRL, 2011. Disponível em: http://www.ala.org/acrl/standards/guidelinesinstruction. Acesso em: 24 ago. 2020.

AGÊNCIA IBGE NOTÍCIAS. Censo é adiado para 2021; coleta presencial de pesquisas é suspensa. Agência IBGE Notícias, Rio de Janeiro, 27 maio 2020. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/27160-censo-e-adiado-para-2021-coleta-presencial-de-pesquisas-e-suspensa. Acesso em: 23 fev. 2021.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Ação cultural e protagonismo social. In: GOMES, H. F.; NOVO, H. F. Informação e protagonismo social. Salvador: EDUFBA, 2017. p. 45-58.

ALMEIDA, M. A. Mediação e mediadores nos fluxos tecnoculturais contemporâneos. Informação & Informação, Londrina, v. 19, n. 2, p. 191-214, maio/ago. 2014.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Mediação da informação: um conceito atualizado. In: BORTOLIN, S.; SANTOS NETO, J. A.; SIVAL, R. J. (org.). Mediação oral da informação e da leitura. Londrina: Abecin, 2015. p. 9-32.

ALMEIDA, S. F. de. População em situação de rua e o retorno à educação escolar: entre dificuldades e possibilidades. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 4., 2012, São Paulo. Proceedings [...]. São Paulo: Associação Brasileira de Educadores Sociais, 2012. p. 1-22.

AQUINO, M. de A. Políticas de informação para inclusão de negros afrodescendentes a partir de uma nova compreensão da diversidade cultural. Inclusão Social, Brasília, v. 3, n. 2, p. 26-37, jan./jun. 2010

ARAGÃO, A. Prevenção de riscos na União Europeia: o dever de tomar em consideração a vulnerabilidade social para uma protecção civil eficaz e justa. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 93, p. 71-93, 2011. Disponível em: http://rccs.revues.org/174. Acesso em: 09 fev. 2020.

AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

BELLUZZO, R. C. B. A competência em informação no Brasil: cenários e espectros. São Paulo: ABECIN, 2018. E-book.

BELLUZZO, R. C. B.; SANTOS, C. A.; ALMEIDA JÚNIOR, O. F. A competência em informação e sua avaliação sob a ótica da mediação da informação: reflexões e aproximações teóricas. Informação & Informação, Londrina, v. 19, n. 2, p. 60-77, maio/ago. 2014.

BEZERRA, A. C. Teoria crítica da informação: proposta teórico-metodológica de integração entre os conceitos de regime de informação e competência crítica em informação. In: BEZERRA, A. C.; SCHNEIDER, M.; PIMENTA, R. M.; SALDANHA, G. S. iKrítica: estudos críticos em informação. Rio de Janeiro: Garamond, 2019. p. 15-72.

BRASIL. Decreto nº 7.053 de 23 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7053.htm. Acesso em: 23 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Saúde da população em situação de rua: um direito humano. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_populacao_situacao_rua.pdf. Acesso em: 23 fev. 2021.

BRUCE, C. S. Las siete caras de la alfabetización en información em la enseñanza superior. Anales de Documentación, Múrcia, n. 6, p. 289-294, 2003.

BURTON, G. Teorizando o Estado e a Globalização na política e políticas educacionais. Revista Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 9, n. 2, p. 315-331, jul./dez. 2014.

CATTS, R.; LAU, J. Towards information literacy indicators. UNESCO: Paris, 2008. Disponível em: origin-www.ifla.org/files/assets/information-literacy/publications/towards-information-literacy_2008-en.pdf. Acesso em: 24 ago. 2020.

CERQUIER-MANZINI, M. L. O que é cidadania. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 2013.

CORRÊA, E. Usuário, não! Interagente. Proposta de um novo termo para um novo tempo. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 19, n. 41, p. 23-40, dez. 2014.

COSTA, A. P. M. População em situação de rua: contextualização e caracterização. Revista Virtual Textos & Contextos, Porto Alegre, n. 4, v. 1, p. 1-15, dez. 2005.

CUNHA, J. V. Q. da; RODRIGUES, M. (org.). Rua: aprendendo a contar: pesquisa nacional sobre a população em situação de rua. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 2009. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Livros/Rua_aprendendo_a_contar.pdf. Acesso em: 22 fev. 2021.

CUNHA, M. V. O papel social do bibliotecário. Encontros Bibli: Revista eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 8, n. 15, p. 41-46, 2003.

FREIRE. P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: São Paulo: Paz e Terra, 2018.

FREITAS, C. J. “Os indesejáveis”: agentes públicos e a gestão da mobilidade de trecheiros e pessoas em situação de rua. 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2014.

GOMES, H. F. A dimensão dialógica, estética, formativa e ética da mediação da informação. Informação & Informação, Londrina, v. 19, n. 2, p. 46-59, maio/ago. 2014.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Desafios contemporâneos da Ciência da Informação: as questões éticas da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 10., 2009, João Pessoa. Anais [...]. João Pessoa: UFPB, 2009. p. 106-126.

JUSTO, J. S. et al. Políticas públicas de mobilidade e assistência a itinerantes: o caso dos trecheiros. Emancipação, Ponta Grossa, v. 13, n. 3, p. 105-120, 2013.

KUHLTHAU, C. C. Information search process. New Brunswick, NJ: Rutgers School of Communication and Information, 2018. Disponível em: http://wp.comminfo.rutgers.edu/ckuhlthau/information-search-process/. Acesso em: 24 ago. 2020.

LINN, L. S.; GELBERG, L. Priority of basic needs among homeless adults. Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology, [s. l.], v. 24, n. 1, p. 23-29, 1989.

MANIFESTO de Florianópolis sobre a competência em informação e as populações vulneráveis e minorias. In: SEMINÁRIO COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO: CENÁRIOS E TENDÊNCIAS, 2., 2013, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: FEBAB, 2013. p. 1-3. Disponível em: http://repertorium.marilia.unesp.br:8180/handle/123456789/231. Acesso em: 23 fev. 2021.

NASCIMENTO, E. C. Nomadismos contemporâneos: um estudo sobre errantes trecheiros. São Paulo: UNESP, 2008.

NATALINO, M. A. C. Estimativa da população em situação de rua no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2016. (Texto para Discussão, n. 2246). Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/26102016td_2246.pdf. Acesso em: 23 fev. 2021.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 12. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

SANTOS, R. N. R dos; LIMA, G. B. de; FREIRE, I. M. Interfaces sociais da Ciência da Informação: competência em informação por pessoas LGBTI+. In: FARIAS, G. B. de; FARIAS, M. G. G. (org.). Competência e mediação da informação: percepções dialógicas entre ambientes abertos e científicos. São Paulo: ABECIN, 2019. p. 130-145.

TELLO, F. M. Servicios bibliotecarios para grupos vulnerables: la perspectiva em las directrices de la IFLA y otras asociaciones. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 18, n. 1, p. 45-66, jan./abr. 2008.

TORRES, T. Morador de rua passa dia em biblioteca lendo e anotando, para matar dor do tempo. Campo Grande News, Campo Grande, 28 jul. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2NND0XZ. Acesso em: 2 mar. 2021.

UNICEF. The state of the world’s children 2017: children in a Digital World. New York City: UNICEF, 2017.

VALENTIM, M. L. P. Tendências e perspectivas profissionais e as competências essenciais para a formação e a atuação do bibliotecário. Revista Eletrônica da ABDF, Brasília, v. 3, n. 2, p. 46-63, jul./dez. 2019.

VELHO, G.; KUSCHNIR, K. (org.). Mediação, cultura e política. Rio de Janeiro: Aeroplano Editora, 2001.

VIEIRA, M. A. C.; BEZERRA, E. M. R.; ROSA, C. M. M. População de rua: quem é, como vive, como é vista. São Paulo: Hucitec, 1994.

VITORINO, E. V. A competência em informação e a vulnerabilidade: construindo sentidos à temática da “vulnerabilidade em informação”. Ciência da Informação, Brasília, v. 47, n. 2, p. 71-85, maio/ago. 2018.

VITORINO, E. V.; PIANTOLA, D. Competência informacional - bases históricas e conceituais: construindo significados. Ciência da Informação, Brasília, v. 38, n. 3, p. 130-141, set./dez. 2009.

VITORINO, E. V.; PIANTOLA, D. Dimensões da competência informacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 40, n. 1, p. 99-110, jan./abr. 2011.

Downloads

Publicado

2021-03-26

Como Citar

BRITO, T. R. de; BELLUZZO, R. C. B.; ALMEIDA JÚNIOR, O. F. de. A mediação da informação no resgate da visibilidade e dignidade dos vulneráveis: o caso das pessoas em situação de rua. Em Questão, Porto Alegre, v. 27, n. 2, p. 323–345, 2021. DOI: 10.19132/1808-5245272.323-345. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/102346. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos