Escolas saudáveis: o papel do território educativo no contexto da pandemia de Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2595-4377.111182

Palavras-chave:

Escolas, Território educativo, Gestão democrática, Arquitetura escolar, Covid-19

Resumo

A presente reflexão foi produzida a partir da experiência de elaboração do Manual Técnico para Escolas Saudáveis, desenvolvido em agosto de 2020 pelo GT Cidade, Infâncias e Juventudes do IAB-SP que, ao descrever as medidas necessárias para um ambiente escolar saudável em um momento de pandemia, coloca em evidência problemas estruturais mais amplos das escolas públicas da rede estadual de São Paulo. Na investigação acerca do que torna uma escola saudável, surge ainda uma pergunta anterior: o que é, afinal, um espaço saudável? O que está por trás desta concepção? A partir disso, revisitando questões que emergem da construção coletiva de um espaço de educação saudável em sua totalidade - incluindo edifício, território, currículo e gestão -, é proposto um levantamento dos fatores que, para além da arquitetura, envolvem a saúde não apenas dos espaços escolares, mas também das experiências corpóreas entre escola, sua comunidade e o território do qual faz parte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Campos Demuth

Formada em Arquitetura e Urbanismo e mestre em Design pela USP. Atua na área de ilustração, design e projetos voltados para a infância e a cidade. Atualmente cursa pós-graduação em Arte Educação no SENAC e faz parte do GT Cidade, Infâncias e Juventudes.

Ana Beatriz Goulart de Faria

Arquiteta-urbanista (fauusp/1983), atua com pesquisas e projetos de espaços educativos escolares e urbanos através de metodologias colaborativas. Membro do Centro de Referências em Educação Integral e professora na Fábrica-escola de humanidades, faz parte do GT Cidade, Infâncias e Juventudes do IAB-SP.

Anna Ayumy Inoue Pompeia

Arquiteta e urbanista pela FAU-USP, tem experiência em projetos com ênfase em educação e processos participativos. É integrante do Coletivo de Extensão Universitária CoCriança, da FAU-USP, e faz parte do GT Cidade, Infâncias e Juventudes do IAB-SP.


Carolina Mesquita Clasen

Arte-educadora, Mestre em Arquitetura e Urbanismo  PROGRAU-UFPel (2018); possui graduação em Artes Visuais, UFPel (2014) e tem interesse por investigações sobre as infâncias contemporâneas e suas intersecções. Faz parte do GT Cidade, Infâncias e Juventudes do IAB-SP.

Debora Laub

Arquiteta e Urbanista, começou sua carreira em 1999, em Porto Alegre, cidade onde nasceu. Atuou 9 anos entre Londres e Auckland, Nova Zelândia, até se estabelecer em São Paulo. Seu trabalho abrange o campo da arquitetura – criação, pesquisa, execução – e suas ligações com outros conhecimentos e artes. Débora é bolsista do CNPQ e finalizará o doutorado em Março de 2021. Faz parte do GT Cidade, Infâncias e Juventudes do IAB-SP.

Gabriela Gerotto Viola

Arquiteta e Urbanista pela UNESP/Bauru. Tem interesse no estudo das possibilidades na relação das crianças com a cidade. Faz parte do CoCriança, um Projeto de Extensão e Cultura da FAU-USP e do GT Cidade, Infâncias e Juventudes do IAB-SP. 


Heloisa Bento Ribeiro

Arquiteta e Urbanista pela FAUUSP (2019), atualmente cursa a pós-graduação "Arquitetura, Educação e Sociedade" na Escola da Cidade, onde também é Professora Assistente da disciplina de Urbanismo. Atua nas áreas de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em equipamentos públicos de educação, e em ações educativas. Faz parte do GT Cidade, Infâncias e Juventudes do IAB-SP.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Como Citar

DEMUTH, M. C.; FARIA, A. B. G. de; POMPEIA, A. A. I.; CLASEN, C. M.; LAUB, D.; VIOLA, G. G.; RIBEIRO, H. B. Escolas saudáveis: o papel do território educativo no contexto da pandemia de Covid-19. Cadernos do Aplicação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, 2021. DOI: 10.22456/2595-4377.111182. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/CadernosdoAplicacao/article/view/111182. Acesso em: 8 dez. 2022.