Diagnóstico e Manejo das Lesões Ortopédicas em Pacientes Politraumatizados

Autores

  • Vinícius Leite Gonzalez Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Edgar Santin Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Felipe Véras Arsego Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Gustavo da Rosa Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • José Mauro Zimmermann Júnior Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Luiz Felipe Teer de Vasconcellos Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Matheus Brun Costa Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Tiago Ribeiro Ledur Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Ortopedia, Fraturas, Politraumatizados

Resumo

Concluído o atendimento inicial com a realização das manobras básicas preconizadas pelo ATLS® (Advanced Trauma Life Support), o manejo das fraturas expostas figura entre as prioridades no atendimento inicial ortopédico em politraumatizados. Lavagem abundante, desbridamento adequado, profilaxia antitetânica e antibioticoterapia intravenosa precoce e de amplo espectro são fundamentais para o adequado manejo das mesmas. Fraturas da pelve e do quadril, francamente relacionadas a traumas de alta energia, são as únicas que, por estarem ligadas a grandes sangramentos retroperitoniais, podem levar ao óbito logo após o trauma, configurando emergências traumatológicas. As fraturas em membro inferior apresentam alta morbidade, sendo as de tíbia as consideradas mais frequentes dentre as expostas e em ossos longos. Embora as de fêmur se apresentem com menor frequência, acabam por deixar sequelas mais importantes. Diferentemente destas, as fraturas de escápula, clavícula, rádio e ulna podem receber um manejo simples de redução e contenção, requerendo apenas em casos particulares de intervenções cirúrgicas. A avaliação radiológica no politraumatizado jamais deve interromper as manobras de reanimação. Duas incidências radiográficas ortogonais costumam ser suficientes para a visualização de lesões ortopédicas. Outros exames normalmente ficam reservados para um segundo tempo do atendimento na avaliação de estruturas e lesões de maior complexidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Leite Gonzalez, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Edgar Santin, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Felipe Véras Arsego, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Gustavo da Rosa Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

José Mauro Zimmermann Júnior, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Luiz Felipe Teer de Vasconcellos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Matheus Brun Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Tiago Ribeiro Ledur, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Acadêmico da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Downloads

Publicado

2009-08-26

Como Citar

1.
Gonzalez VL, Santin E, Arsego FV, Silva G da R, Zimmermann Júnior JM, de Vasconcellos LFT, Costa MB, Ledur TR. Diagnóstico e Manejo das Lesões Ortopédicas em Pacientes Politraumatizados. Clin Biomed Res [Internet]. 26º de agosto de 2009 [citado 24º de junho de 2022];29(2). Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/2984

Edição

Seção

Artigos de Revisão