Diagnóstico, fatores de risco e patogênese da pré-eclâmpsia

Autores

  • Rafael Bueno Orcy Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas: Fisiologia, Departamento de Fisiologia, Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Laboratório de Ginecologia e Obstetrícia Molecular, Centro de Pesquisas, HCPA
  • Renata Pedrini Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Laboratório de Ginecologia e Obstetrícia Molecular, Centro de Pesquisas, Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Pedro Piccinini Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Laboratório de Ginecologia e Obstetrícia Molecular, Centro de Pesquisas, Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Sabrina Schroeder Serviço de Ginecologia e Obstetrícia, Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Sérgio Hofmeister Martins-Costa Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • José Geraldo Lopes Ramos Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Edison Capp HCPA/UFRGS, Laboratório de Ginecologia e Obstetrícia Molecular, Centro de Pesquisas, Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Helena von Eye Corleta Departamento de Ginecologia e Obstetrícia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Laboratório de Ginecologia e Obstetrícia Molecular, Centro de Pesquisas, Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Palavras-chave:

pré-eclâmpsia, diagnóstico, fatores de risco, fisiopatologia, resistência à insulina

Resumo

A pré-eclâmpsia é uma doença da gestação que pode determinar restrição no crescimento fetal, prematuridade e, em casos mais graves, morte da mãe e do feto. Caracteriza-se por hipertensão arterial materna, proteinúria significativa (? 0,3g/24h), edema, vaso-constrição do leito vascular materno e conseqüente aumento da resistência vascular. Muitos estudos discutem fatores de risco, patogê-nese e critérios para o diagnóstico da pré-eclampsia, porém as variações na forma de apresentação e de evolução clínica dessa doença dificultam o entendimento dos resultados obtidos, freqüentemente conflitantes. A padronização diagnóstica e as pesquisas de base genética e molecular podem trazer, em um futuro próximo, maior compreensão dessa patologia. Neste artigo apresentamos uma revisão da literatura, com destaque para a relação entre pré-eclâmpsia e resistência à insulina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-01-02

Como Citar

1.
Orcy RB, Pedrini R, Piccinini P, Schroeder S, Martins-Costa SH, Ramos JGL, Capp E, Corleta H von E. Diagnóstico, fatores de risco e patogênese da pré-eclâmpsia. Clin Biomed Res [Internet]. 2º de janeiro de 2008 [citado 29º de junho de 2022];27(3). Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/1981

Edição

Seção

Artigos de Revisão