Protótipo de uma cadeira terapêutica neonatal: desenvolvimento, confecção e aplicabilidade

Autores

  • Graziela Ferreira Biazus Fisioterapeuta, Mestre em Ciências da Saúde; Especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva: Pediátrica e Neonatal/ Serviço de Fisioterapia e Neonatologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Silvia Raquel Jandt Fisioterapeuta/ Especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva: Pediátrica e Neonatal/ Serviço de Fisioterapia e Neonatologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Cidia Cristina Kupke Fisioterapeuta/ Especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva: Pediátrica e Neonatal/ Serviço de Fisioterapia e Neonatologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
  • Rita C Silveira Médica Neonatologista/ Professora do Departamento de Pediatria, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil/ Serviço de Neonatologia, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, RS

Palavras-chave:

Neonato, Posicionamento do Paciente, Fisioterapia, Inovação Tecnológica, Neuroproteção, Neonatologia

Resumo

Introdução: A longa hospitalização dos neonatos na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal tem como consequência aumento dos riscos de alterações posturais devido ao tempo prolongado dentro de incubadoras e berços. Como medida de cuidado assistencial é promover alternativa de mudança de posturas. Contudo, não há no mercado dispositivos adequados, sendo necessárias adaptações de forma rudimentar para realizar o posicionamento funcional. Desta forma, o objetivo é desenvolver um invento denominado “Cadeira Terapêutica Neonatal” para promover uma alternativa de posicionamento. Métodos: Estudo qualitativo e descritivo de desenvolvimento e produção, aprovado pelo CEP (nº 17-0254) - constituído por três etapas: Etapa 1- desenvolvimento e confecção do protótipo; Etapa 2-  avaliação da aplicabilidade do protótipo através de um Questionário de Aplicabilidade, após transcorrido 10 minutos do posicionamento funcional; Etapa 3- definição do modelo e solicitação do pedido de invenção pelo INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial). Resultados: Etapa 1: foram desenvolvidos e confeccionados dois modelos de protótipos de Cadeira Terapêutica Neonatal. Etapa 2: Vinte e oito colaboradores da equipe assistencial responderam o Questionário:  82% consideram muito bom na avaliação no grau de conforto e adaptação do neonato; 96% avaliaram como muito fácil de realizar o processo de higienização. Onze (39.28%) colaboradores sugeriram promover medidas de melhorias no cinto de segurança. Etapa 3: definição do modelo do invento e Inserção do pedido sob o número BR 20 2020 005865 2 no INPI. Conclusão: O modelo proposto promoveu uma alternativa de mudança de postura, possuindo característica de aplicabilidade e usabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Graziela Ferreira Biazus, Fisioterapeuta, Mestre em Ciências da Saúde; Especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva: Pediátrica e Neonatal/ Serviço de Fisioterapia e Neonatologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Serviço de Fisioterapia

Silvia Raquel Jandt, Fisioterapeuta/ Especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva: Pediátrica e Neonatal/ Serviço de Fisioterapia e Neonatologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Sreviço de Fisioterapia

Cidia Cristina Kupke, Fisioterapeuta/ Especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva: Pediátrica e Neonatal/ Serviço de Fisioterapia e Neonatologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Serviço de Fisioterapia

Rita C Silveira, Médica Neonatologista/ Professora do Departamento de Pediatria, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil/ Serviço de Neonatologia, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, RS

Serciço de Neonatologia

Downloads

Publicado

2021-10-05

Como Citar

1.
Biazus GF, Jandt SR, Kupke CC, Silveira RC. Protótipo de uma cadeira terapêutica neonatal: desenvolvimento, confecção e aplicabilidade. Clin Biomed Res [Internet]. 5º de outubro de 2021 [citado 10º de agosto de 2022];41(3). Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/109640

Edição

Seção

Artigos Originais