A PERCEPÇÃO DOS GESTORES BRASILEIROS SOBRE OS PROGRAMAS DE PREPARAÇÃO PARA A APOSENTADORIA

Autores

  • Lucia Helena F. P. França PhD pela The University of Auckland (NZ)
  • Cristiane Pimentel Nalin Mestre em Psicologia pela Universidade Salgado de Oliveira
  • Andreia da Rocha Siqueira Brito Graduada em Psicologia pela Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO
  • Silvia Miranda Amorim Graduação em Psicologia - Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
  • Talmo Rangel Mestre em Psicologia pela Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO
  • Nanci Claudete Ekman Graduação na Escola de Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.22456/2316-2171.50434

Palavras-chave:

Envelhecimento, Organizacoes, Gestores, Programas de Preparacao para Aposentadoria

Resumo

 

Com o aumento cada vez mais evidente da população idosa no Brasil, diversas medidas para o bem-estar desta população foram estabelecidas na Política Nacional do Idoso e no Estatuto do Idoso. Dentre estas medidas, destacam-se os programas de preparação para a aposentadoria, apesar de muitas empresas desconhecerem esta obrigatoriedade. A presente pesquisa descritiva teve por objetivo investigar a percepção de 207 gestores – um por organização – sobre os Programas de Preparação para a Aposentadoria – PPA nas organizações. A maioria dos participantes era do sexo feminino (60%) com média de idade de 49 anos (26 a 76 anos). Os resultados revelaram que apenas um quarto das organizações adotava o PPA, embora a maioria considerasse sua implantação relevante. Cerca da metade dos gestores respondeu que o programa deveria ser oferecido de três a cinco anos antes da aposentadoria. Quando questionados sobre as medidas que poderiam tomar frente aos trabalhadores mais velhos, a frequência foi maior das medidas que não seriam implantadas, como: a possibilidade reduzir de status hierárquico (84%), licença extra (83%), aposentadoria parcial – meio expediente (78,5%), redução de carga horária (72%). As medidas que seriam implantadas dizem respeito à possibilidade de adequação das tarefas (52,2%), medidas ergonômicas (50,7%) e limite de idade para um trabalho impróprio ou insalubre (44,6%). Estes resultados apontam a necessidade de sensibilizar os gestores especialmente, os de Recursos Humanos quanto ao envelhecimento no contexto organizacional.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucia Helena F. P. França, PhD pela The University of Auckland (NZ)

Professora titular do Programa de Pos-Graduacao em Psicologia (Mestrado e Doutorado) da Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO, onde leciona e  coordena projetos de pesquisa na área do envelhecimento, em especial sobre aposentadoria e intergeracionalidade, com o apoio da FAPERJ e do CNPq.

Cristiane Pimentel Nalin, Mestre em Psicologia pela Universidade Salgado de Oliveira

Doutoranda em Psicologia pela Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO

Andreia da Rocha Siqueira Brito, Graduada em Psicologia pela Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO

Mestranda em Psicologia - Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO

Silvia Miranda Amorim, Graduação em Psicologia - Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Mestranda na Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO

Talmo Rangel, Mestre em Psicologia pela Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO

Doutorando na Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Nanci Claudete Ekman, Graduação na Escola de Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Mestranda em Psicologia pela Universidade Salgado de Oliveira - UNIVERSO

Referências

REFERÊNCIAS

ARMSTRONG-STASSEN, Marjorie. Human resource practices for mature workers – And why aren’t employers using them? Asia Pacific Journal of Human Resources, Los Angeles, v. 46, n. 3, p. 334-352, Dez., 2008.

ALCOVER, Carlos-Maria; TOPA, Gabriela; FERNÁNDEZ, Juan José. Organizational management of older workers and the processes of maintaining, extending and leaving employment. Papeles del Psicólogo, Barcelona, v. 35, n. 2, p. 91-98, Jun., 2014.

BRASIL. Lei n° 10.741, de 1° de outubro de 2003. Decreta e sanciona o Estatuto do Idoso. Salvador: Ministério Público do Estado da Bahia, 2003.

BRASIL. Lei n° 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Decreta e sanciona a Política Nacional do Idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Salvador: Ministério Público do Estado da Bahia, 1994.

CAHILL, Kevin; GIANDREA, Michael; QUINN, Joseph. Bridge employment. In: WANG, Mo (Org.), The Oxford Handbook of Retirement. Oxford: Oxford University Press, p. 293-310, 2013.

FONSECA, António. Do trabalho à reforma: quando os dias parecem mais longos. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, Número temático, p. 75-95, 2012.

FRANÇA, Lucia H. de F. P.. Envelhecimento dos trabalhadores nas organizações: estamos preparados? In: FRANÇA, Lucia H F. P.; Dayze Stepansky. (Orgs), Propostas multidisciplinares para o bem-estar na aposentadoria. Rio de Janeiro: Quartet: FAPERJ, p. 25-52. 2012.

FRANÇA, Lucia H. F. P.. Programas de Preparação para a Aposentadoria – Contexto, relevância, diagnóstico e instrumentos para implantação. In: Mendonça Helenides. (Orgs), Diagnóstico em organizações: teoria e prática, no prelo.

FRANÇA, Lucia H. F. P.; et al. Atitudes dos trabalhadores de cargos não-gerenciais frente à Aposentadoria ⌠Relatório de pesquisa⌡. Pesquisa apoiada pela FAPERJ, APQ1 no. E-26/ 171.400/2006 e pelo CNPQ no. 400527/2007-3, 2009.

FRANÇA, Lucia H. F. P.; BENDASSOLLI, Pedro, MENEZES, Gustavo S.; MACEDO, Luciane S.. Aposentar-se ou continuar trabalhando? O que influencia essa decisão? Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, n. 33, v. 3, Ago. 2013.

FRANÇA, Lucia H. F. P.; VAUGHAN, Graham. Ganhos e perdas na aposentadoria: percepção dos executivos brasileiros e neozelandeses. Psicologia em Estudo, Maringá, n. 13, vol. 2, p. 207-216, Abr./Jun. 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Síntese de indicadores sociais – Uma análise das condições de vida da população brasileira. 2012. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/0000000144. pdf>. Acesso em: 26 jun. 2014.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Comunicado nº 157/12 - Tendências demográficas mostradas pelo PNAD 2011. 2012. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/comunicado/121011_comunicadoipea157.pdf.>. Acesso em: 22 set. 2014.

MARANGONI, Jacqueline F. da C. MANGABEIRA, Janemary, Athayde. Política integrada de atenção à saúde do servidor público do Distrito Federal: o programa de preparação para o período pós-carreira. Revista Brasileira Medicina do Trabalho, Curitiba, v. 12, n. 1, p. 8-15, Out. 2014.

MARQUES, Sibila; BATISTA, Maria; SILVA, Pedro. A promoção do envelhecimento ativo em Portugal: preditores de aceitação de um chefe mais velho. Sociologia: Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto. Número temático, p. 53-73, 2012.

MENEZES, Gustavo, S.; FRANÇA, Lucia H. F. P... Preditores da decisão da aposentadoria por servidores públicos federais. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho, Florianópolis, v.12, n.3, Dez. 2012.

MURTA, Sheila; et al. Preparação para a aposentadoria: implantação e avaliação do programa viva mais!. Psicologia Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 27, n. 1, Mar. 2014.

NOONE, Jack; STEPHENS, Christine; ALPASS, Fiona. Preretirement Planning and Well-Being in Later Life: A Prospective Study. Research on Aging, Boston, v. 31, n. 3, p. 295-317, Fev. 2009.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Envelhecimento Ativo: uma política de saúde. 2005. Disponível em: <http://www.prosaude.org/publicacoes/diversos/envelhecimento_ativo.pdf>. Acessado em: 23 set. 2014.

POTOCNIC, Kristina; TORDERA, Nuria e PEIRÓ, José Maria. Truly satisfied with your retirement or just resigned? Pathways toward different patterns of retirement satisfaction. Journal of Applied Gerontology, Minnesota, v. 32, n.2, p. 164-187, Abr. 2011.

SHACKLOCK, Kate; FULOP, Liz e HORT, Linda. Managing older worker exit and re-entry practices: A ‘revolving door’? Asia Pacific Journal of Human Resources, Melbourne, v. 45, n.2, p. 151-167, Ago. 2007.

SHULTZ, Kenneth; WANG, Mo. Psychological perspectives on the changing nature of retirement. American Psychologist, Washington, v. 66, n. 3, p. 170-179, Abr. 2011.

SOARES, Dulce. P. S., COSTA, Aline. B. Aposent-ação – Aposentadoria para ação. São Paulo: Vetor, 2011.

TEH, CHoo, E. .The aging workforce: Some implications, strategies and policy considerations for human resource managers. Asia Pacific Journal of Human Resources, Murdoch.v. 37, n. 2, p. 60-75, Jul. 1999.

VAN DALEN, Hendrik, HENKENS, Kène.; SCHIPPERS, Joop. Productivity of Older Workers: Perceptions of Employers and Employees. Population and Development Review, v. 36, n.2, p. 309-330, Jun. 2010.

WANG, Mo. Retirement: An introduction and overview of the Handbook. In Mo Wang (Org.), The Oxford Handbook of Retirement (pp. 3-9), Oxford: Oxford University Press, 2013.

WANG, Mo., HENKENS, Kène & VAN SOLINGE, Hanna. Retirement adjustment: A review of theoretical and empirical advancements. American Psychologist, Washington, n. 66, p. 204-213, Abr. 2011.

Downloads

Publicado

2014-03-31

Como Citar

França, L. H. F. P., Nalin, C. P., Brito, A. da R. S., Amorim, S. M., Rangel, T., & Ekman, N. C. (2014). A PERCEPÇÃO DOS GESTORES BRASILEIROS SOBRE OS PROGRAMAS DE PREPARAÇÃO PARA A APOSENTADORIA. Estudos Interdisciplinares Sobre O Envelhecimento, 19(3). https://doi.org/10.22456/2316-2171.50434

Edição

Seção

Artigos