A Bordadeira: Linhas que Contam Imagens-Testemunhas

Marcela De Macedo Cavallini

Resumo


Este artigo alia a prática da pesquisa performativa em site specific, proposta por Haseman (2006), à ação de bordar como ato-testemunha das histórias de violências contra mulheres. Concomitantemente, realiza pontes com a atual situação hecatômbica, provocada pela pandemia Covid-19, que nos ensina novas relações entre tempo, encontros e memórias como algo emergencial ao contexto entre arte e feminismo. Conceitos como matérias-fantasmas e corpas paradoxais acompanham a proposta ativista da artista em busca de novas sensibilidades comunitárias e coletivas.


Abstract

This article combines the practice of performative research on site specific proposed by Haseman (2006) with the action of embroidering as a witness to the stories of violence against women. Concomitantly, it bridges the current hecatombic situation caused by the Covid-19 pandemic that teaches us new relationships between time, encounters and memories as something emergency to the context between art and feminism. Concepts such as ghostly materials and paradoxical bodies accompany the artist's activist proposal in search of new community and collective sensibilities.



Palavras-chave


Artes; Arte Contemporânea; Artes Visuais.

Texto completo:

PDF

Referências


BOMBAÇA, Jota. Pode um Cú Mestiço Falar? Disponível em: . Acesso em: Setembro de 2019.

DELEUZE, Gilles.; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Ed. 34, 1997. vol. 2.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do Tempo: história da arte e anacronismo das imagens. Trad. de Vera Casa Nova, Marcia Arbex. Belo Horizonte: ed. UFMG, 2015.

HOOKS, Bell. Movimentar-se para Além da Dor. [Blogueiras Feministas]. Disponível em: . Acesso em: 10 de março de 2018.

HASEMAN, Brad. Manifesto pela Pesquisa Performativa. Tradução: Marcello Amalfi in Resumos do Seminário de Pesquisas em Andamento, São Paulo: PPGAC/USP. v.3.1, 2015.

LEPECKI, André. Planos de composição: dança, política e movimento. In: A terra do não-lugar. Diálogos entre antropologia e performance. Raposo et AL. Florianópolis: editora UFSC, 2013.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo: N-1 edições, 2018.

PRECIADO, Paul B. Aprendendo com o vírus. Trad. Ricardo Moura. Disponível em: < https://medium.com/textura/aprendendo-com-o-v%C3%ADrus-1f8542d3ed78>. Acesso em 29 de março de 2020.

REIF, L. Pandemia Amplia Canais para Denunciar Violência Doméstica e Buscar Ajuda. Agência Patrícia Galvão, 2020. Disponível em: https://agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/violencia-domestica/pandemia-amplia-canais-para-denunciar-violencia-domestica-e-buscar-ajuda/. Acesso em: 4 de agosto de 2020.

RICH, A. Org. Que tempos são estes e outros poemas. Tradução Marcelo Lotufo. São Paulo: Ed. Jabuticaba, 2018.

ROLNIK, Suely. Esferas da Ressureição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 edições, 2018.

SPIVAK, Gayatri. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte: editora UFMG, 2010.

TVARDOVSKAS, L.S. Dramatização dos corpos: arte contemporânea de mulheres no Brasil e na Argentina, Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. 2013. Disponível em: . Acesso em: Fevereiro de 2019.

TAYLOR, D. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.




DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.108837

Direitos autorais 2021 Marcela de Macedo Cavallini

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

PORTO ARTE: e-ISSN 2179-8001


INDEXADORES

PROPESQ

"

LATINDEX

Resultado de imagem para redib logo