A memória e a escrita em Mia Couto e Graciliano Ramos: das fulgurações da utopia à visão trágica da realidade

Autores

  • Andrea Trench de Castro Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.20577

Palavras-chave:

Mia Couto, Graciliano Ramos, escritas da memória, utopia, trágico

Resumo

Pretendemos traçar uma análise comparativa entre os romances Terra sonâmbula, de Mia Couto, e São Bernardo, de Graciliano Ramos, tendo em vista a perspectiva do sujeito rememorante que se desenvolve em ambas as narrativas, a fim de mostrar como a memória exerce um papel estruturador e como os projetos de escrita que se entretecem nas narrativas podem apontar para diferentes interpretações das obras, considerando as fulgurações da utopia que têm lugar no texto de Mia Couto, e, por outro lado, a visão trágica que predomina no romance brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Trench de Castro, Universidade de São Paulo

Graduada em Letras Português-Linguística pela Universidade de São Paulo. Mestranda do programa de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa. Investiga relações literárias na formação e ascensão do romance em Portugal e França, século XIX. Interessa-se pelas articulações literárias entre países de expressão portuguesa.

Downloads

Publicado

2011-07-25

Como Citar

Trench de Castro, A. (2011). A memória e a escrita em Mia Couto e Graciliano Ramos: das fulgurações da utopia à visão trágica da realidade. Nau Literária, 7(2). https://doi.org/10.22456/1981-4526.20577

Edição

Seção

Dossiê