Para uma poética do livro-álbum sem texto: uma leitura de Máquina, de Jaime Ferraz

Autores

  • Diana Navas Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
  • Ana Margarida Ramos

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.110501

Palavras-chave:

livro-álbum sem texto, metaficção, mise en abyme, livro, leitura

Resumo

Pretende-se, neste estudo, proceder a uma leitura aprofundada do livro-álbum sem texto Máquina (Pato Lógico, 2017), de Jaime Ferraz, tendo em vista a caracterização deste formato editorial específico e a reflexão sobre a sua valorização enquanto objeto literário, além de artefacto de especial significado estético. Serão alvo especial da análise os elementos peritextuais principais, a composição global do livro e, sobretudo, a narrativa visual e os procedimentos técnicos usados para contar uma história que, além de ser uma espécie de ode ao livro e à leitura numa sociedade cada vez mais digital, apresenta na sua construção vários recursos metaficcionais, exigindo leitores observadores e competentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diana Navas, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Diana Navas, Doutora em Letras - Literatura Portuguesa, Professora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária da PUC-SP, Brasil

Ana Margarida Ramos

Doutora em Literatura, Professora Catedrática da Universidade de Aveiro, Portugal;

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

Navas, D., & Ramos, A. M. (2021). Para uma poética do livro-álbum sem texto: uma leitura de Máquina, de Jaime Ferraz. Nau Literária, 17(2), 195–214. https://doi.org/10.22456/1981-4526.110501

Edição

Seção

Seção Livre