Os sentidos do grito: modulações de esperança e melancolia na canção “Um grito parado no ar” (1973/2013) e de horror na canção “Febre do rato” (2020)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.110425

Palavras-chave:

Toquinho, Gianfrancesco Guarnieri, Kiko Dinucci, Forma Canção, Teatro brasileiro dos anos 70.

Resumo

O presente trabalho expõe uma análise ensaística comparativa de três fonogramas: A gravação da canção censurada “Um grito parado no ar”, composta em 1973 para o espetáculo teatral homônimo estreado no mesmo ano e integrada ao LP Botequim, de Gianfrancesco Guarnieri e Toquinho; a faixa “Um grito parado no ar”, que integra o disco Vasta cidade, festa de ninguém de Bruno De La Rosa, em que a canção de Guarnieri e Toquinho é pela primeira vez gravada sem trechos censurados; e a faixa “Febre do rato”, do disco Rastilho, de Kiko Dinucci, lançado em janeiro de 2020. A partir da contextualização histórica, bem como da identificação de procedimentos formais e estilísticos na unidade entre texto lírico, composição musical e performance nas obras em questão, a reflexão busca situar a distância nas formas de expor perplexidade, esperança, melancolia e horror diante de impasses sociais e políticos de momentos históricos díspares, mas utilizando uma imagem lírica em comum: Um grito que organiza um precipitado de tensões sobre o que não pode ser nomeado na esfera pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Takashi Moraes Assano, Universidade de São Paulo

Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada. Área de Literatura e Sociedade. Doutorando.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

Assano, G. T. M. (2021). Os sentidos do grito: modulações de esperança e melancolia na canção “Um grito parado no ar” (1973/2013) e de horror na canção “Febre do rato” (2020). Nau Literária, 17(2), 114–143. https://doi.org/10.22456/1981-4526.110425

Edição

Seção

Seção Livre