O tempo agora é moeda: de Balzac a Graciliano Ramos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/1981-4526.110424

Palavras-chave:

tempo, dinheiro, democracia, identidade, romance

Resumo

A frase “tempo é dinheiro” torna-se muito comum a partir do século XVIII com a Revolução Industrial. Os donos de fábricas passaram a controlar o tempo e a propagar a ideia de que seu uso deveria ser feito com a máxima eficiência para evitar desperdícios. No século XIX, com o surgimento da classe burguesa, o controle e a disciplina do tempo tornam-se valores fundamentais. Junta-se à nova percepção temporal uma forma mais democrática e horizontal no tratamento das pessoas inaugurada pela Revolução Francesa. A partir desse momento, a fixidez de papéis sociais se dilui e o povo passa de objeto a sujeito da história. Consequentemente, surge uma nova concepção de identidade, que se torna mais fragmentada, e, ao mesmo tempo, mais subordinada às ações do sujeito do que à vida social. Todos esses temas perpassam a obra de Balzac. Pretende-se demonstrar, neste artigo, que São Bernardo, de Graciliano Ramos, seria um modelo reduzido que comprimiria tanto o romance do século XIX quanto o romance do século XX, por retomar daquele certos temas principais, como o self-made man e os impasses da mobilidade social, e deste a tensão do efeito corrosivo do tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leilane Luiza Ferreira Mota, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestra pelo Programa de Pós-graduação em Letras: Estudos da Linguagem da Universidade Federal de Ouro Preto.

Emílio Maciel, Universidade Federal de Ouro Preto

Professor doutor associado ao Departamento de Letras da Universidade Federal de Ouro Preto.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

Mota, L. L. F., & Maciel, E. (2021). O tempo agora é moeda: de Balzac a Graciliano Ramos. Nau Literária, 17(2), 238–267. https://doi.org/10.22456/1981-4526.110424

Edição

Seção

Seção Livre