TREINADORAS E AUXILIARES DO FUTEBOL DE MULHERES NO BRASIL: SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA NA LIDERANÇA ESPORTIVA

Autores

  • Mariana Cristina Borges Novais Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Faculdade de Educação Física e Desportos (FAEFID), Juiz de Fora, MG. https://orcid.org/0000-0001-6638-0729
  • Ludmila Mourão Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Faculdade de Educação Física e Desportos (FAEFID), Juiz de Fora, MG. https://orcid.org/0000-0003-0893-7511
  • Osmar Moreira de Souza Junior Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Departamento de Educação Física e Motricidade Humana (DEFMH), São Carlos, SP. https://orcid.org/0000-0002-2915-5634
  • Igor Chagas Monteiro Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Faculdade de Educação Física e Desportos (FAEFID), Juiz de Fora, MG. https://orcid.org/0000-0002-0643-1261
  • Bárbara Aparecida Bepler Pires Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Faculdade de Educação Física e Desportos (FAEFID), Juiz de Fora, MG. https://orcid.org/0000-0002-1754-5053

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.106782

Palavras-chave:

Divisão de trabalho baseado no gênero. Futebol. Mulheres trabalhadoras. Comportamento estereotipado.

Resumo

Fundamentada nos estudos culturais e de gênero, esta pesquisa analisa a representatividade de mulheres em cargos de treinadora e auxiliar no futebol de mulheres, buscando identificar as estratégias de subversão e resistência adotadas para sua inserção e permanência. Os materiais de análise foram os discursos das participantes aliados a fontes documentais, como notícias e produções acadêmicas. A análise evidencia que as profissionais conquistaram o acesso aos cargos em decorrência das experiências como líderes enquanto atletas e/ou estagiárias e por seus altos níveis de capacitação. Elas asseguram sua permanência ao atestarem diariamente sua competência, mantendo o nível de capacitação e superando estereótipos de gênero. Elas personificam a eminente resistência oferecida pelas mulheres em espaços tradicionalmente reservados aos homens, tensionando as relações de poder. Contudo, a consolidação de uma condição equânime requer investimento financeiro e, sobretudo, empenho na desconstrução de estereótipos de gênero.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2021-04-02

Como Citar

NOVAIS, M. C. B.; MOURÃO, L.; SOUZA JUNIOR, O. M. de; MONTEIRO, I. C.; PIRES, B. A. B. TREINADORAS E AUXILIARES DO FUTEBOL DE MULHERES NO BRASIL: SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA NA LIDERANÇA ESPORTIVA. Movimento, [S. l.], v. 27, p. e27023, 2021. DOI: 10.22456/1982-8918.106782. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/106782. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais