IMITAÇÃO E FAZER PRECONCEITO: CIRCULAÇÃO DE OBJETOS, ROUPAS, MODAS E JEITOS ENTRE OS WAJÃPI (AMAPÁ)

Camila Galan de Paula

Resumo


Em aldeias wajãpi no Amapá, muitos rapazes e homens ostentam penteados à Neymar; mulheres jovens repartem os cabelos de lado; meninas pequenas trajam apenas calcinhas. Diversas práticas e ornatos que parecem à primeira vista ter seu uso oriundo nas cidades amapaenses remetem a relações de pessoas wajãpi com outros povos indígenas: os sutiãs inspirados nas mulheres wajãpi das aldeias do Camopi (Guiana Francesa), o lambadão xinguano. As imitações de práticas corporais e o uso de objetos cujas origens são atribuídas a outros grupos (indígenas e não indígenas) são profusos. Este artigo pretende explorar algumas considerações de meus interlocutores wajãpi a respeito de dinâmicas ligadas à aquisição e circulação desses objetos, roupas, modas e enfeites. Inicialmente analiso a ideia de imitação, a partir de um diálogo entre meus dados e a bibliografia acerca dos corpos ameríndios. A partir dessa dinâmica da imitação, revelam-se também certas relações sociopolíticas entre diversas pessoas e famílias wajãpi: imita-se aquilo que alguém fez primeiro; esses iniciadores, por sua vez, buscam diferenciar-se, fazendo preconceito ou disputa.

Palavras-chave


corpo; vestimentas; roupas; circulação de mercadorias; Wajãpi (Tupi-guarani)

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-6524.71186

Qualis Área de Avaliação Classificação ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA B1 CIÊNCIAS AMBIENTAIS B2 COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO B2 DIREITO B3 EDUCAÇÃO B3 HISTÓRIA B3 INTERDISCIPLINAR B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 MEDICINA II B5 PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA B3 PSICOLOGIA B3 SOCIOLOGIA