Movimento hackerspace: um estudo sobre a experiência brasileira

Autores

  • Beatriz Cintra Martins Laboratório Interdisciplinar sobre Informação e Conhecimento - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT)/Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Sarita Albagli Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT)

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245261.161-185

Palavras-chave:

Hackerspace, Inovação de base, Ciência cidadã.

Resumo

Os hackerspaces fazem parte de fenômeno emergente em todo o mundo de construção de espaços e infraestruturas alternativos de pesquisa, experimentação e aprendizado. Diferenciam-se de outros espaços institucionalmente estabelecidos por seus princípios de autonomia: são financiados e geridos por seus próprios membros e, logo, têm maior liberdade para definirem seus temas e questões. Neste artigo, apresentamos os resultados de pesquisa realizada, em 2017, sobre os hackerspaces brasileiros. Na análise, recorremos à estrutura proposta por Smith et al. (2017) em seu estudo sobre movimentos de inovação de base, organizada em quatro aspectos que se complementam, quais sejam: contexto, enquadramento, espaços e estratégias, e caminhos. Assim, abordamos a história do movimento no Brasil; sentidos e narrativas compartilhados pelos participantes; espaços e estratégias utilizados em sua estrutura e organização; e, finalmente, os estudos de casos selecionados por se articularem com questões da comunidade local. A pesquisa identificou 21 hackerspaces ativos no país em 2017, distribuídos pelas regiões Centro-Oeste, Nordeste, Sudeste e Sul. Destes, 16 responderam a um questionário que revelou a diversidade das atividades desenvolvidas e a proximidade dessas iniciativas com a comunidade universitária, dentre outras características. Já os estudos de caso evidenciaram que, além de contribuírem para a mais ampla circulação do conhecimento tecnológico, os hackerspaces também são espaços para o desenvolvimento de práticas e tecnologias que buscam responder a questões sociais e ambientais, como a sustentabilidade no descarte do lixo eletrônico e o monitoramento cidadão do meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Cintra Martins, Laboratório Interdisciplinar sobre Informação e Conhecimento - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT)/Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutora em Ciências da Comunicação, com pós-doutorado em Ciência da Informação. Pesquisadora Associada do Laboratório Interdisciplinar sobre Informação e Conhecimento (LIINC), vinculado ao Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Sarita Albagli, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT)

Doutora em Ciências (Geografia) Pesquisadora do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT). Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - PPGCI/IBICT-UFRJ.Coordenadora do Laboratório Interdisciplinar sobre Informação e Conhecimento (LIINC).

Downloads

Publicado

2020-01-01

Como Citar

MARTINS, B. C.; ALBAGLI, S. Movimento hackerspace: um estudo sobre a experiência brasileira. Em Questão, Porto Alegre, v. 26, n. 1, p. 161–185, 2020. DOI: 10.19132/1808-5245261.161-185. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/89892. Acesso em: 28 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos