Memória e esquecimento ou solidão informacional do homem contemporâneo: a metáfora do filme Amnésia

Autores

  • Georgete Medleg Rodrigues

Palavras-chave:

Informação, memória, cinema

Resumo

O filme Amnésia é analisado neste artigo num quadro de referências que evoca os conceitos de tempo, memória e informação e adota como ponto de partida as impressões dos alunos da disciplina Memória e Informação do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade de Brasília sobre o filme. A análise proposta busca refletir sobre as relações entre informação e memória e o seu significado na sociedade contemporânea que privilegia a rapidez, a eficácia e a eficiência da informação; que supervaloriza a informação e os meios de transmiti-las, ao mesmo tempo em que tende a torná-los – meios e informação – rapidamente obsoletos. Busca, também, compreender como os indivíduos transitam nesse paradoxo de abundância de registros informacionais e as dificuldades de lhes atribuir algum sentido; da impotência do sujeito que perdeu a memória e o instinto e parece deslocado temporal, social e espacialmente.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Georgete Medleg Rodrigues

Doutora em História Professora do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação do Departamento de Ciência da Informação da Universidade de Brasília (UnB) Currículo Lattes

Downloads

Publicado

2006-12-09

Como Citar

RODRIGUES, G. M. Memória e esquecimento ou solidão informacional do homem contemporâneo: a metáfora do filme Amnésia. Em Questão, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 137–152, 2006. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/116. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos