Dominação, confronto e acordo. A intervenção do FMI na crise argentina em 2002

Pablo Nemiña

Resumo


Em 2002 o Governo argentino tentou, sem sucesso, chegar a um acordo com o FMI para moderar o impacto da crise econômica que eclodiu após o fim da conversibilidade. Este artigo analisa a intervenção do FMI durante esse período, especificando os fatores que explicam a sua intransigência e como ela ajudou a criar uma situação de dominação sobre o Governo. Conclui-se que somente quando o Governo virou para uma posição de confronto alterou o curso da negociação e chegou ao acordo.

Palavras-chave


Negociações Internacionais; Dominação; FMI; Argentina

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2178-8839.36773



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

Conjuntura Austral - ISSN: 2178-8839

       UFRGS