A Guerra do Paraguai na historiografia brasileira: algumas considerações

Autores

  • ANDRÉ Mendes Salles Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.22456/2595-4377.49957

Palavras-chave:

Guerra do Paraguai, Historiografia brasileira, Balanço historiográfico.

Resumo

Este artigo trata da historiografia brasileira relativa à Guerra do Paraguai. Consideramos as quatro versões predominantes nessa historiografia, quais sejam: a versão que se deu logo após a guerra, versão esta propagada pelo exército brasileiro (a historiografia memorialístico-militar-patriótica); a historiografia propagada pelos positivistas ortodoxos; o revisionismo das décadas de 1960/70/80, com destaque para León Pomer (1979; 1980) e Júlio Chiavenatto (1983); e a corrente interpretativa chamada por alguns estudiosos de neo-revisionismo, com destaque para Francisco Doratioto (2002). Demos ênfase às duas últimas historiografias, apreendendo, sobretudo, as questões relacionadas às causas do conflito, e ponderamos a historiografia neo-revisionista produzida pelo historiador Francisco Doratioto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

ANDRÉ Mendes Salles, Universidade Federal de Pernambuco

Graduado em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Mestre em História pela Universidade Federal da Paraíba e doutorando em Educação pela UFPE.

Referências

BANDEIRA, Luiz Alberto Moniz. O papel do Brasil na Bacia do Prata (da colonização ao império). Tese (Doutorado em Ciência Política). Universidade de São Paulo, São Paulo, 1982.

BLOCH, Marc. Apologia da História, ou, O ofício do historiador. Tradução André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BOMFIM, Manoel. América Latina: Males de Origem. Rio de Janeiro: Topbooks, 1993.

______. O Brasil na América. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

CERQUEIRA, Dionísio. Reminiscência da Campanha do Paraguai. (1865-1870). Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1980.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Tradução Maria de Lourdes Menezes; revisão técnica Amo Vogel. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1982.

CHIAVENATTO, Júlio José. Genocídio Americano: a Guerra do Paraguai. 18ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983.

DORATIOTO, Francisco. A Guerra do Paraguai: 2ª Visão. São Paulo: Brasiliense, 1991.

______. História e ideologia: a produção brasileira sobre a

Guerra do Paraguai. In: Nuevo Mundo Mundos Nuevos [en línea], colóquios, 2009, puesto en línea el 13 janvier 2009. Disponível em: <http://nuevomundo.revues.org/index49012.html>. Acesso em: 20 jul. 2009.

______. Maldita Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

______. Nova luz sobre a guerra do Paraguai. Revista Nossa História, Rio de Janeiro, Ano 2, n. 13, 2004, p.18-23.

DUARTE, Paulo de Queiróz. Os voluntários na guerra do Paraguai. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1981.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Tradução Galeano de Freitas, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GASPARI, Élio. A Ditadura derrotada: o sacerdote e o feiticeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

______. A Ditadura encurralada: o sacerdote e o feiticeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

______. A Ditadura envergonhada: as ilusões armadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2002ª.

______. A Ditadura escancarada: as ilusões armadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2002b.

MAESTRI, Mário. A guerra contra o Paraguai: História e historiografia: da instauração à restauração historiográfica [1871-2002]. Nuevo Mundo Mundos Nuevos [en línea], colóquios, 2009, puesto en línea el 27 mars 2009. Disponível em: <http://nuevomundo.org/index55579.html>. Acesso em: 15 de março de 2010.

______. A guerra no papel: história e historiografia da guerra do Paraguai (1864-1870). Passo Fundo: PPGH/UPF, Editora FCM, 2013.

MARQUES, Maria Eduarda Castro Magalhães (org.). A Guerra do Paraguai: 130 depois. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

MENDES, Raimundo Teixeira. A Guerra do Paraguai. Rio de Janeiro: Edição J. B. Leal, 1920.

MENEZES, Alfredo da Mota. Guerra do Paraguai. Como construímos o conflito. São Paulo: Contexto; Cuiabá, MT: Editora da Universidade Federal do Mato Grosso, 1998.

_____. A Guerra é nossa: a Inglaterra não provocou a Guerra do Paraguai. São Paulo: Contexto, 2012.

MOTA, Carlos Guilherme. A Guerra contra o Paraguai: a História de um silêncio. In: MARQUES, Maria Eduarda Castro Magalhães (org.). A Guerra do Paraguai: 130 depois. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995, p. 37-50.

POMER, León. A Guerra do Paraguai: a grande tragédia rio-platense. Tradução Yara Peres. São Paulo: Global, 1980.

______. Os conflitos da Bacia do Prata. Tradução Luiz Roberto Seabra Malta. São Paulo: Brasiliense, 1979.

PRADO JÚNIOR, Caio. Evolução Política do Brasil: Colônia e Império. São Paulo: Brasiliense, 2006.

______. Formação do Brasil contemporâneo: Colônia. São Paulo: Brasiliense, 2004.

______. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1973.

SALLES, André Mendes. A Guerra do Paraguai na literatura didática. Um estudo comparativo. Dissertação (Mestrado em História). João Pessoa, Universidade Federal da Paraíba, 2011.

SQUINELO, Ana Paula. A Guerra do Paraguai, essa desconhecida...ensino, memória e história de um conflito secular. Campo Grande: UCDB, 2002.

TORAL, André. Imagens em desordem: a iconografia da guerra do Paraguai (1864-1870). São Paulo: Humanitas FFLCH USP, 2001.

WHITE, Hayden. Enredo e verdade na escrita da História. In: MALERBA, Jurandir (org.). A História escrita: teoria e história da historiografia. São Paulo: Contexto, 2006, p.191-210.

Downloads

Publicado

2015-08-09