A escrita digital em scraps e a escrita de bilhetes em sala de aula: um estudo sobre transmutação de gênero textual

Autores

  • Verena Santos Abreu Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

DOI:

https://doi.org/10.22456/2595-4377.26566

Palavras-chave:

Educação Básica

Resumo

Com base na Linguística Textual e na concepção de gêneros discursivos de Bakhtin ([1979] 2003), bem como nos estudos sobre Hipertexto e gêneros digitais, nesse trabalho aparece como tema a escrita digital e sua influência na grafia de jovens em ambiente escolar, sobretudo na produção de bilhetes, fora do ciberespaço. Os corpora investigados são scraps extraídos do Orkut e bilhetes produzidos durante a aula de Língua Portuguesa/Redação, por estudantes do Ensino Fundamental II. O objetivo principal é analisar a recorrência de realizações de escrita que sugerem uma proximidade à linguagem digital, e a migração da escrita digital para um suporte diferente da tela do computador. Os resultados apontam para a possível transmutação da transmutação, uma vez que a escrita de um gênero transmutado (scraps) parece migrar para o gênero anterior (bilhetes), com vários registros similares à escrita digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Verena Santos Abreu, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

Professora assistente, em regime temporário, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)- Centro de Ciências da Saúde. Mestre em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Downloads

Publicado

2011-11-10

Edição

Seção

Pesquisa em Educação Básica