O receio de ser igual em meio às diferenças: reflexões acerca do antagonismo existencial dos professores do ensino médio diante da inclusão escolar

Cláudia Terra do Nascimento Paz, Yara da Rocha Cruz

Resumo


Este trabalho objetivou observar o antagonismo existencial de professores do ensino médio da rede estadual de um município de Minas Gerais, em relação à educação inclusiva. Foram observados professores, lotados em 5 escolas da rede estadual, em um período de 4 anos (2016 – 2019), a partir do contato direto em espaços escolares informais, já que a autora atuou nessas escolas, em diferentes períodos. A partir de observações e memórias, foi organizada uma matriz observacional, que gerou documentação e registros, sendo possível identificar um deslocamento do antagonismo dos professores em relação à inclusão escolar, que passou da completa resistência inicial, aos sentimentos de ansiedade e angústia. Pôde-se observar a empatia que os professores desenvolveram pelos alunos ao longo do tempo, o que corroborou ao desenvolvimento de sentimentos de angústia e de impotência. Em relação às expectativas docentes, as mesmas estão colocadas sob a necessidade de formação continuada. Assim, uma das opções para dirimir o antagonismo existencial dos professores é o fortalecimento da identidade e da formação docente, de forma a proporcionar suporte às práticas pedagógicas. Sem ter pretensão de ser conclusivo, observou-se que inclusão escolar não trata de cumprir legislação, mas de respeitar as particularidades dos sujeitos envolvidos no processo.

Palavras-chave


Inclusão escolar; Estudantes com deficiência; Antagonismo existencial

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2595-4377.114021

Direitos autorais 2021

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN 0103-6041
ISSN 2595-4377 (online)


Indexadores

Apoio e fomento