Jovens de terreiros no chão da escola: tensões e resistências

Cláudia Maria de Jesus Castro, Cláudia Valente Cavalcante

Resumo


Este artigo é um recorte de uma pesquisa de mestrado que investigou os jovens de terreiros e o espaço escolar. Essa investigação se estabeleceu a partir da articulação entre o campo educacional e religioso e, para isso, traz algumas reflexões teórico-conceituais sobre juventude e a relação com a escola e a religião. Entende-se que a juventude como um grupo social e diverso que, embora seja parametrizado por uma faixa etária, produz juventudes diferentes a partir da relação entre o mundo objetivo e o subjetivo. Apesar de uma aparente unidade, a juventude é compreendida na sua pluralidade quando se considera a classe, a etnia, o gênero, a raça, o econômico e a religião como elementos importantes na sua constituição. Os resultados da pesquisa apontam os jovens de terreiros constroem suas estratégias de resistência ao preconceito no espaço escolar, mas estas não garantem a transformação do campo ou no reconhecimento legítimo das suas crenças. Conclui-se que o papel da escola é fazer a mediação das tensões e possibilitar a ampliação do repertório juvenil quanto à pluralidade e diversidade cultural religiosa.


Palavras-chave


Jovens. Terreiro. Escola

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2595-4377.111165

Direitos autorais 2021

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN 0103-6041
ISSN 2595-4377 (online)


Indexadores

Apoio e fomento