Políticas Públicas e Juventudes. Percursos no Brasil e em Portugal.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2595-4377.111121

Palavras-chave:

Políticas públicas. Saúde. Educação. Juventudes. Subjetividade

Resumo

Este artigo apresenta um ensaio a partir de uma revisão bibliográfica e documental que analisou como o Brasil e Portugal concebem e implementam políticas públicas de saúde voltadas para as juventudes, quais suas interfaces com a educação e seus efeitos de produção subjetiva. Aqui buscou-se empreender um resgate histórico sobre as políticas públicas destinadas às juventudes no Brasil e em Portugal, principalmente, nas áreas de educação e saúde a fim de evidenciar suas principais características. Em ambos os países, tais políticas resultam do reconhecimento dos direitos sociais constitucionalmente garantidos e são implementadas articulando saúde e educação tomando a escola como base de ação. Além disso, em ambos os países as políticas públicas priorizam questões de saúde, especialmente, no que se refere à prevenção da gravidez na adolescência, o consumo de álcool, o uso de drogas e as doenças sexualmente transmissíveis (DST). Conclui-se que, em ambos os países, a despeito de diferenças quanto a maior ou menor desigualdade social, as políticas públicas são determinantes na formação dos modos de ser dos jovens tanto no Brasil como em Portugal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliana Perez Gonçalves de Moura, Universidade Feevale

Docente do curso de graduação em Psicologia; do Programa de Pós-Graduação em Diversidade Cultural e Inclusão Social e do Mestrado Acadêmico em Psicologia da  Universidade Feevale. Desenvolve pesquisas sobre temáticas interdisciplinares na interface com Psicologia Social, com ênfase em práticas psicossociais,  políticas públicas, práticas de educação em espaços não escolares, modos de subjetivação, pesquisa qualitativa.

Silvia Zuffo

Mestre em Diversidade Cultural e Inclusão Social

Downloads

Publicado

2021-04-28

Edição

Seção

Temática especial