Os rostos das juventudes no ambiente educacional: conflitando a sociedade de consumo líquido-moderna

Carlos Marcelo Cavalheiro Félix, Rodrigo Koch

Resumo


Este texto apresenta as realidades de algumas das juventudes que trafegam pelas vias sociais e, especialmente, pelos espaços educacionais contemporâneos. Em caráter analítico e com perspectiva sociológica, a escrita propõe um olhar sobre o ambiente da educação tendo em vista os fragmentos dos “rostos” das juventudes, nos seus diferentes espaços/tempos no atual construto da contemporaneidade. As bases reflexivas são tecidas sob as lentes sociológicas de Zygmunt Bauman, com base nos conceitos de Modernidade Líquida e da Sociedade de Consumidores cunhados pelo mesmo pensador. Há evidências de certas angústias por parte dos jovens em relação a seu futuro profissional e às descontinuidades e fragmentações identitárias pelas quais deslizam, atrelados ao crescente desinteresse na educação, que ainda segue modelos sólidos e tradicionais diante de uma juventude cada vez mais líquida e com sociabilidades fugazes e efêmeras. Do ambiente líquido-moderno resulta as experiências momentâneas, fluidas e de consumo permanente evidenciando os processos de objetificação da educação e as permanentes buscas identitárias nos diversos contextos das juventudes.


Palavras-chave


Juventude; Educação; Modernidade Líquida; Bauman.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2595-4377.110479

Direitos autorais 2021

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN 0103-6041
ISSN 2595-4377 (online)


Indexadores

Apoio e fomento