A TENDÊNCIA AXIOMÁTICA DA RACIONALIDADE ECONÔMICA NO CONTEXTO DA OPOSIÇÃO ENTRE INDIVIDUALISMO METODOLÓGICO E ESTRUTURALISMO

Ruth Margareth Hofmann, Victor Pelaez

Resumo


O objetivo do presente trabalho é promover uma discussão quanto aos efeitos teóricos e metodológicos decorrentes do processo de axiomatização do conceito de racionalidade na teoria econômica. Particular importância é atribuída às dificuldades teóricas e metodológicas de se transpor o micro rumo ao macrocomportamento econômico. Para tanto, apresenta-se o contexto epistemológico em que se dá a redução psicológica do homem econômico, o que abrange individualismo metodológico e estruturalismo. Em seguida, discute-se a legitimidade da transcendência micro-macro a partir do tratamento metodológico do indivíduo e da firma na microeconomia neoclássica, na qual consumidor e firma são unidades isomorfas de análise. Argumenta-se que o individualismo inerente à abordagem neoclássica implica na contraposição entre um nível individual e um nível coletivo de análise, de modo que o microcomportamento é estabelecido ex-ante e desvinculado do macro. Influenciadas por esta contraposição, as primeiras aproximações estruturalistas tendem a manter a tendência axiomática da racionalidade na teoria econômica. Contudo, versões mais elaboradas dos métodos estruturalistas, caracterizados pela ênfase nas relações (e não os agentes) como unidade de análise, permitem resgatar o comportamento do indivíduo como um produto das relações sociais, levando-se em consideração a interdependência entre o micro e o macro.

Palavras-chave


Racionalidade; Individualismo metodológico; estruturalismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.8644



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456