VULNERABILIDADE EXTERNA BRASILEIRA NOS ANOS 1980: UMA ANÁLISE A PARTIR DA POSIÇÃO INTERNACIONAL DE INVESTIMENTOS E DO FLUXO DE RENDAS

Julio Manuel Pires, Paulo Van Noije, Bruno Martarello De Conti

Resumo


O objetivo do trabalho é apresentar a vulnerabilidade externa brasileira na década de 1980, em sua esfera financeira, decorrente dos estoques externos. Defende-se a hipótese de que, historicamente, um dos elos mais importantes da interação entre os fluxos e os estoques externos brasileiros está na sua circularidade. Para as análises em tela, realiza-se uma estimativa da Posição Internacional de Investimentos para os anos 1980 que é inédita – já que esses dados não são disponibilizados por nenhuma fonte oficial –, constituindo-se como uma das contribuições do artigo. Ademais, apresenta-se uma estimativa – também inédita – da rentabilidade desses estoques externos, além de alguns indicadores de endividamento externo. A partir desses dados, o artigo analisa o período marcado pela crise da dívida externa no Brasil, concluindo que os saldos positivos gerados pelas exportações serviram apenas para amenizar a circularidade entre a Posição Internacional de Investimentos e as rendas enviadas, atenuando o aumento do passivo externo líquido ao longo do período analisado e gerando, em contrapartida, um baixo dinamismo econômico e o aumento das pressões inflacionárias.


Palavras-chave


Vulnerabilidade externa; Posição internacional de investimentos; Fluxo de rendas; Crise da dívida; Economia brasileira

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.70807



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456