ESTIMAÇÃO DAS IMPORTAÇÕES INDIRETAS DO COMPLEXO INDUSTRIAL QUÍMICO BRASILEIRO NOS ANOS 2000

Thiago Moraes Moreira, Luiz Carlos Santana Ribeiro

Resumo


O objetivo deste artigo é estimar as importações brasileiras indiretas de químicos para os anos de 2000, 2005 e 2009. Utilizaram-se dados de matrizes de insumo-produto nacional e internacional, em particular os coeficientes de demanda intermediária por produtos químicos das atividades econômicas. Estimativas como esta são úteis no sentido de melhor mensurar o tamanho do mercado potencial de produtos químicos deslocados pelas importações brasileiras totais, não se limitando apenas às importações diretas. Este mercado potencial corresponderia ao somatório das importações diretas e indiretas, sendo estas últimas referentes aos produtos químicos que se encontram incorporados em toda a pauta de importação brasileira. Ambas as estimativas apresentaram valores crescentes das importações brasileiras indiretas de químicos ao longo dos anos, sendo que a obtida por meio da base internacional apresentou valores relativamente menores. Esta diferença sugere defasagem da estrutura produtiva brasileira, em particular no que diz respeito à eficiência no uso dos insumos químicos. Percebeu-se ainda queda significativa no peso relativo das importações brasileiras com origem nos Estados Unidos, principalmente na primeira metade da década, concomitantemente a um expressivo aumento da participação chinesa.


Palavras-chave


Importações indiretas de químicos; Matrizes de insumo-produto; Brasil

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.62625



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456