QUEBRAS ESTRUTURAIS E ESTACIONARIEDADE DA RAZÃO CONSUMO-RENDA: NOVAS EVIDÊNCIAS PARA AMÉRICA LATINA E ESTADOS UNIDOS

Ana Cláudia Annegues da Silva, Patrícia Soares de Araújo Carvalho, Edilean Kleber da Silva Bejarano Aragón

Resumo


Este trabalho investiga a estacionariedade da razão consumo-renda para 11 países da América Latina e os Estados Unidos no período de 1951 a 2010. Inicialmente, testa-se a existência de múltiplas quebras estruturais em datas desconhecidas na função tendência da razão consumo-renda. O teste utilizado, sugerido por Perron e Yabu (2009) e Kejriwal e Perron (2010), é robusto ao fato do componente de ruído da série temporal ser estacionário ou integrado. Em seguida, empregam-se os testes de raiz unitária propostos por Carrion-i-Silvestre et al. (2009), que permite múltiplas quebras no nível e na inclinação da função tendência. Os resultados indicam a presença de duas quebras na função tendência da razão consumo-renda para a maior parte das economias analisadas. As exceções são a Colômbia e o Paraguai, que apresentam apenas uma quebra. No caso dos Estados Unidos, a hipótese de ausência de quebra estrutural dos parâmetros da função tendência da propensão média a consumir não pode ser rejeitada. Com relação à ordem de integração da razão consumo-renda, os resultados indicam que essa variável é não estacionária para todos os países da amostra, com exceção do Peru.


Palavras-chave


Razão consumo-renda; Quebras estruturais; Testes de raiz unitária

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.43018



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456