DESIGUALDADE DOS RENDIMENTOS DO TRABALHO: ESTUDO COMPARATIVO PARA AS REGIÕES NORDESTE E SUDESTE DO BRASIL

Rosana Ribeiro, Henrique Neder

Resumo


Século XXI, e o Brasil ainda é uma das sociedades mais desiguais do Planeta. A discrepância é acentuada mesmo quando se considera o rendimento do trabalho em todo o território; no Nordeste, por exemplo, os índices de concentração de renda superam os do Sudeste. Neste artigo investigamos as principais variáveis explicativas para desigualdade total dos rendimentos do trabalho nessas regiões por meio da análise de variância. Os resultados revelaram que as variáveis nível de escolaridade e posição na ocupação contribuíram muito para tal desigualdade. Logo, elevar o nível de escolaridade das pessoas permite um melhor posicionamento na fila de indivíduos em busca de emprego. Contudo, realocar a participação das pessoas na ocupação segundo a posição é também crucial: se a elevação do nível de escolaridade dos indivíduos pode ser obtida mediante uma política pública educacional, alterações na proporção de pessoas segundo a posição na ocupação se revelam tarefa muito mais difícil, que exige redefinição na política industrial - na verdade, na política de desenvolvimento - para promover determinadas atividades econômicas fundamentais à geração de bons postos de trabalho.

Palavras-chave


Desigualdade dos rendimentos. Análise regional.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.10862



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456