VIABILIDADE DE ESTRATÉGIAS DE HEDGECOM CONTRATOS FUTUROS DE BOI GORDO NO BRASIL

Diana de Medeiros Baptista, Danilo R. D. Aguiar

Resumo


O objetivo deste trabalho é avaliar a viabilidade do uso de operações de hedge com os contratos futuros de boi gordo negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Foram estudados nove estados, cobrindo todas as regiões geográficas do Brasil. Verificou-se que, com exceção do Rio Grande do Sul, as operações de hedge de venda tendem a proporcionar retornos duas ou três vezes maiores do que as operações de hedge de compra. No Rio Grande do Sul, operações de hedge de compra e de venda proporcionam retornos similares. Assim, pode-se concluir que as operações de hedge com os contratos futuros de boi gordo da BM&F são viáveis, especialmente no caso de hedge de venda, sendo que operações de hedge de compra mostram-se mais viáveis para hedgers localizados no Rio Grande do Sul. Os resultados mostram também que os primeiros cinco meses do ano tendem a ser mais adequados a operações de hedge de compra, especialmente com o uso dos contratos que vencem em meados do ano. As operações de hedge de venda são mais viáveis a partir do junho, sendo maior o retomo caso se utilize um contrato que vença no final do ano ou no início do ano subseqüente, Embora diversos padrões comuns tenham sido identificados entre os estados, as particularidades identificadas para cada estado tomam necessário que os hedgers utilizem as informações específicas dos estados em que atuam, conforme as tabelas geradas neste trabalho, para tomarem decisões mais seguras.

Palavras-chave


Gestão de risco. Mercado futuro. Contrato de boi gordo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/2176-5456.10852



 
.........................................................................................................................................................................................................................

Indexadores


 PROPESQ  PROPESQ PROPESQ   PROPESQ      PERIÓDICOS UFRGS


 
.........................................................................................................................................................................................................................

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Faculdade de Ciências Econômicas
Revista Análise Econômica
ISSN 0102-9924 / e-ISSN 2176-5456