Assistencialismo midiático: uma nova estratégia de legitimação social

Pedrinho Guareschi, Giordano Larangeira Dias, Mariane Rigatti Hartmann

Resumo


O artigo é fruto de uma longa investigação sobre recepção da mídia pela população. Foram investigados, através de grupos focais, os seis programas mais assistidos dos seis principais canais de televisão brasileira, no ano de 2003. Eram produzidos compactos dos programas e mostrados a grupos focais, trinta ao todo, constituídos por grupos representativos da população. Entre os principais achados, discutimos neste artigo apenas um que se mostrou central na investigação e que denominamos de “assistencialismo midiático”. Tal conceito procura significar que a razão principal de telespectadores acharem que um canal, um programa, ou um apresentador serem bons e merecerem ser assistidos, deve-se ao fato de eles ajudarem as pessoas. Na discussão e interpretação das informações, esse achado é analisado tendose em conta toda a história do Brasil, e a influência dessa cultura e práticas na construção de uma subjetividade dependente, a partir de práticas assistencialistas presentes em todas as dimensões da sociedade. Essa prática se manifesta, hoje, com outra faceta: um assistencialismo midiático, continuando a reproduzir relações de dependência.

Palavras-chave


Mídia Brasileira. Assistencialismo Midiático. Ideologia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.19132/1807-8583200716.71-89



Intexto | E-ISSN 1807-8583

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: intexto@ufrgs.br

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos