CARTAS SOBRE A DANÇA DE NOVERRE: DESORDEM, TRANSGRESSÕES E OUTROS DESCAMINHOS PARA CRIAÇÃO

Airton Ricardo Tomazzoni dos Santos

Resumo


O objetivo desse artigo é mobilizar conceitos e perspectivas teóricas alinhavadas na obra Cartas sobre a Dança, de Jean-Georges Noverre, produzida no século XVIII, mas que apresenta elementos para problematização das poéticas das artes cênicas na contemporaneidade. Sua visão peculiar de compreender a dança como imitação da natureza e as implicações de percepção das dinâmicas implícitas nessa natureza permitem a emergência e valorização de aspectos usualmente relegados naquele período, como desordem, instabilidade, multiplicidade, singularidade, indeterminação como configuradoras também do processo de criação. A tensão entre técnica e expressividade, a questão entre cópia e inventividade, a relação entre racionalidade e emoção no processo artístico, a proximidade entre arte e vida, a atenção ao acaso e à irregularidade, ou ainda o caráter perigoso e subversivo da inventividade. Enfim, um movimento de perceber o alcance das proposições e a importância de revisitar esse material teórico/filosófico/pedagógico/artístico ainda pouco valorizado nas discussões atuais.


Palavras-chave


Dança, Criação, Estética

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22456/2236-3254.65193





REVISTA CENA

Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas
Rua General Vitorino, 255
Centro - Porto Alegre - RS - 90020-171

  

revistacena@ufrgs.br
(51)3308.4380